Doula

O que é uma doula?

Desde os tempos antigos que era comum que houvesse várias mulheres presentes durante o trabalho de parto, para apoiar a grávida. Hoje em dia, uma doula é uma pessoa que oferece apoio emocional e físico a uma mulher/casal, antes, durante e após o nascimento do bebé.

♥ Está disponível para ajudar a mulher a encontrar o poder dentro de si para conduzirem o nascimento dos seus filhos e terem uma experiência de parto que as realize enquanto mulheres como um todo.

♥ É desejável que a doula estabeleça uma relação de confiança com a mulher/casal, antes do parto. Relação que pode ser construída em alguns encontros consoante o desejo da grávida.

♥ A doula está ao lado da mulher/casal, promovendo a sua auto-confiança e apoiando as suas decisões informadas e conscientes.

♥ A doula é alguém que conhece e compreende a fisiologia do parto, e que respeita e tenta assegurar as necessidades básicas de uma mulher em trabalho de parto.

O que faz a doula?

Acompanha a grávida durante a gestação através de apoio emocional, esclarecimento de dúvidas, procura de informação, ajuda a planear e desmistificar o trabalho de parto e puerpério (pós-parto).

No trabalho de parto, a doula está ao lado da mulher, criando uma esfera de proteção e confiança, que facilita a progressão do trabalho de parto. A doula poderá propor medidas de conforto como duche ou banho, massagens, relaxamento, respiração profunda.

No hospital, a doula é a única profissional que garante assistência personalizada e contínua à parturiente, funcionando também como um elo de ligação entre a equipa de atendimento e o casal. A doula não faz qualquer procedimento médico. Ela explica os complicados termos médicos e os procedimentos hospitalares visando sempre proteger a experiência emocional do parto para o casal.

A doula também presta serviços no pós-parto (cuidados a ter com o recém-nascido, ajuda na amamentação, adaptação da família a um novo elemento).

E como fica o papel do pai?

O homem é o guardião do parto, protege a mulher que vai parir e o seu filho. Tem o seu lugar mais do que importante junto da mãe. Uma doula servirá, também, para apoiá-lo e reforçar o seu papel. Os companheiros sentem-se mais entusiasmados quando a sua contribuição para o parto foi relevante e significativa, bem como as mulheres sentem-se mais próximas e conectadas com o seu parceiro.

Com quantas semanas devo escolher a doula?

Acompanho mulheres/casais nas fases de Pré-concepção, Gravidez, Perda Gestacional e Pós-parto. A melhor altura para procurar uma doula é quando sentires esse apelo no teu íntimo. Aconselho a que converses com algumas doulas e escolhas a aquela com quem sentiste mais confiança e empatia.

O primeiro encontro é gratuito. Serve para nos conhecermos e tem a duração aproximada de 30 minutos. A minha prática segue o Código de Ética da Doula da Rede Portuguesa de Doulas. Sou LGBTI Friendly.

Do que falamos nos encontros?

Cada encontro tem a duração aproximada de 2 horas. Estes são alguns dos temas possíveis de abordar:

  • Fertilidade e preparação para a gravidez
  • Desejos, expetativas e receios quanto ao parto
  • Medidas de conforto para o final da gravidez
  • Sinais de trabalho de parto e necessidades básicas da mulher
  • Medidas de alívio da dor no trabalho de parto
  • Parto vaginal após cesariana
  • Sexualidade: Gravidez, parto e pós-parto
  • Apoio à escrita do Plano de Parto
  • Amamentação
  • Vinculação com o bebé através do toque: benefícios da massagem e do babywearing
  • Massagem da grávida
  • Pintura de barriga (ecografia emocional)
  • Trabalho e apoio emocional (alguns temas possíveis: perda gestacional, abuso sexual, infertilidade)
  • Amamentação e regresso ao trabalho
  • Introdução da alimentação complementar

Valor  

✦ Encontros avulso –  45€

✦ Acompanhamento no Parto

Presença total (até 3 horas após o parto): 350€

Presença parcial (em casa, desde o início do TP e acompanhamento até ao hospital): 250€

⋆ Inclui disponibilidade por telefone 24×7 após 38 semanas e 1 visita domiciliar após o parto

✦ Valor de Pacote Encontros + Acompanhamento no Parto

De forma a ir ao encontro dos teus desejos e necessidades, há a possibilidade de preparar soluções personalizadas.

Gostavas de receber mais informações?

Contacta-me para conversarmos um pouco. :-)

***

Porquê ter uma doula?

As mães relatam uma experiência de parto mais satisfatória e gratificante, sentem-se mais fortalecidas, apresentam níveis mais baixos de ansiedade e níveis mais elevados de atenção e recetividade para com o seu bebé. O risco de depressão pós-parto também é diminuído. Tudo isto favorece o vínculo entre ambos.

A presença da doula produz um clima de intimidade, carinho, afeto e, acima de tudo, segurança.

Os benefícios para o bebé também são evidentes. O risco de complicações e de internamento prolongado é diminuído, favorece-se o sucesso da amamentação e o reforço do vínculo mãe (pais) / bebé.

No que concerne à equipa médica, a doula contribui também para a diminuição da sua ansiedade, da pressa, dos receios e de todas as intervenções médicas daí decorrentes.
A presença da doula ajuda a grávida a perceber qual a melhor altura para se dirigir ao hospital/maternidade, evitando que essa deslocação se realize demasiado cedo (processo que pode desencadear a trilogia stress/tensão/medo). A entrada no trabalho de parto franco (ativo) e a chegada ao ponto de não retorno (a partir da meia dilatação) asseguram e firmam a confiança da parturiente e da equipa médica.

Optar por ter uma doula é, muito provavelmente, a decisão mais importante que uma mulher pode tomar durante a gravidez para tentar viver um parto humanizado.

O que diz a evidência científica?

Os estudos apontam para os benefícios de uma doula são para todos, independentemente do seu nível sócio-económico. A Biblioteca Cochrane de Medicina Baseada em Evidências deixa muito clara a importância das doulas para a melhoria dos resultados obstétricos, demonstrando que a assistência oferecida pelas doulas é sustentada por evidências claras e inquestionáveis:

“Levando-se em consideração os claros benefícios e a ausência de riscos associados com o apoio durante o parto, todos os esforços devem ser feitos para assegurar que qualquer mulher em trabalho de parto receba suporte contínuo, não apenas daqueles próximos a ela, mas também de profissionais treinados. Esse suporte deve incluir presença contínua, conforto pelo toque e encorajamento”.

É algo tão simples como ter o direito de usufruir do apoio individualizado mais adequado durante a gravidez e o parto. Estudos apontam para:

  • Menos cesarianas
  • Redução do uso de fórceps e ventosa
  • Diminuição dos pedidos de epidural
  • Redução do recurso a ocitocina sintética para induzir o parto
  • Redução da utilização de medicação para a dor
  • Encurtamento do período do trabalho de parto
  • Taxas mais elevadas de sucesso na amamentação às 6 semanas
  • Mais auto-estima, menos ansiedade e depressão às 6 semanas

O parto feliz é possível. Ocorre sempre que uma mulher se sentiu respeitada e ouvida, independentemente de ter sido ou não a experiência com que sonhou. Acontece sempre que uma mulher se sentiu empoderada. Para ajudar neste processo, os casais começam, cada vez mais, a procurar o apoio de doulas para acompanhá-los num momento tão importante das suas vidas: o nascimento de um filho.

Fonte: O que é uma doula, Rede Portuguesa de Doulas

Recursos úteis

Livros

Penny Simkin, The Birth Partner – Revised 4th Edition: A Complete Guide to Childbirth for Dads, Doulas and all other labor companions

Artigos científicos

Hodnett E, Gates S, Hofmeyr G. J, Sakala C. 2004. Apoio contínuo para mulheres durante o parto. Biblioteca Cochrane. Chichester, UK:John Wiley & Sons, Ltd. Artigo original em inglês

Koumouitzes-Douvia, J., & Carr, C. A. (2006). Women’s Perceptions of Their Doula Support. The Journal of Perinatal Education, 15(4), 34–40.

Stein, M. (2004), Benefits of a Doula Present at the Birth of a Child, Pediatrics, Vol. 114 No. Supplement 6 November 1, pp. 1488 -1491.

Parratt, JA (2002), ‘The impact of childbirth experiences on women’s sense of self: a review of the literature’, The Australian Journal of Midwifery, vol. 15, no. 4, pp. 10-16.

Gruber, K. J., Cupito, S. H., & Dobson, C. F. (2013). Impact of Doulas on Healthy Birth Outcomes. The Journal of Perinatal Education, 22(1), 49–58.

Klaus, M. and Kennell, J. (1997), The doula: an essential ingredient of childbirth rediscovered. Acta Paediatrica, 86: 1034–1036.

Kayne, MA (2001) Doulas: an alternative yet complementary addition to care during childbirth, Clin Obstet Gynecol. Dec;44(4):692-703.

McGrath, S. K. and Kennell, J. H. (2008), A Randomized Controlled Trial of Continuous Labor Support for Middle-Class Couples: Effect on Cesarean Delivery Rates. Birth, 35: 92–97.

Campbell, D., Scott, K. D., Klaus, M. H. and Falk, M. (2007), Female Relatives or Friends Trained as Labor Doulas: Outcomes at 6 to 8 Weeks Postpartum. Birth, 34: 220–227.

Sauls, D. J. (2002), Effects of Labor Support on Mothers, Babies, and Birth Outcomes. Journal of Obstetric, Gynecologic, & Neonatal Nursing, 31: 733–741.

Saisto, T. and Halmesmäki, E. (2003), Fear of childbirth: a neglected dilemma. Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica, 82: 201–208.