Concerto de Palmo e Meio PSP

Hoje passámos uma manhã diferente, fomos assistir a um concerto! Com polícias!

A Direção Nacional da PSP disponibiliza mensalmente, concertos gratuitos desenhados e produzidos para crianças entre os 6 meses e os 6 anos, os quais, não são música infantil, mas antes momentos de Continuar a ler

Um Livro para Ti

Conta-nos… De que fala “Um Livro para Ti”?

Este livro em particular foca-se a 100% na Partilha.

Hoje fala-se muito em “crise”, eu penso mais numa “crise de valores”. Valores que reparei, foram sendo esquecidos ao longo destes últimos 20 anos, pelo facilitismo na aquisição de tudo e de muitas coisas… demasiadas coisas!

Consigo ver hoje muitas crianças, perdidas no meio de autênticas avalanches de brinquedos nos seus quartos. Uma geração a quem tem sido dado pouco espaço para Continuar a ler

Muffins de banana com farinha de arroz

2 chávenas de farinha de arroz + 1 colher de sopa de fermento em pó
1/10 chávena de açúcar mascavado
3 bananas bem maduras
1 colher de chá de canela em pó
1/2 chávena de leite
1/4 chávena de óleo
3 ovos
1 pitadinha de sal

Juntar 1 tarde de chuva, uma criança de 3 anos, uma grávida com desejos de bolo e 3 bananas em avançado estado de composição com os restantes ingredientes da lista. Passar a varinha mágica. Colocar em forminhas e levar ao forno até estarem prontos.

Para um toque especial, juntar farinha de alfarroba à massa e colocar em camadas.

Servir e lamber os dedos no final. :-)

Cláudia Pinto Praça, Yoga entre Histórias

Como surgiu a colecção Yoga entre Histórias?

A Colecção «Yoga entre Histórias» nasceu de um desejo pessoal de trabalhar com livros nas minhas aulas de yoga kids. Enquanto professora de yoga, procurava materiais diversificados, entre os quais livros que queria usar não só para contar uma história, como também para fazer as posturas de yoga com as crianças. Depois de muito procurar, cheguei à conclusão que não havia nada do género e decidi concretizar um sonho antigo e escrever um livro infantil: ‘O leão que perdeu a juba’. Assim nasceu este projecto do «Yoga entre Histórias», que dá também nome à colecção de livros de que sou autora.

O que te levou a querer mudar de vida? Lembras-te do exacto momento em que percebeste que tinhas que mudar?

Percebi que precisava de mudar de vida quando, ao final de 10 anos a trabalhar como professora de Português, em 2013, o Ministério da Educação me colocou de novo em horários temporários (os chamados horários de substituição de outro professor). Estava numa altura em que pensava progredir na minha “carreira” e não recuar aos primeiros anos de trabalho, por isso achei que aquela era a dica de que precisava para mudar. Nos meses em que estive sem colocação (por causa dos tais horários temporários) decidi fazer uma formação de Yoga para Crianças e a partir daí tive a oportunidade de recomeçar. Comecei a dar aulas a uma turma de Jardim de Infância e foi nessa primeira experiência que decidi arriscar e avançar com a publicação do 1º livro da Colecção. Confesso que foi num momento de loucura que decidi editar um livro sem qualquer tipo de apoio e sem qualquer garantia de que iria ser minimamente bem sucedida. Foi um “salto no escuro”, mas já que era para mudar, que fosse uma mudança a sério! Esse foi o espírito com que iniciei este projecto: uma verdadeira aventura!

O que sentiste quando viste o “Leão que perdeu a juba” nas tuas mãos? Como tem sido a adesão do público?

Foi uma sensação indescritível, pois era a concretização de um sonho antigo. Ainda tenho guardado “na gaveta” um esboço de um livro infantil tão antigo que deve ter mais de 15 anos!

Poder pegar pela 1ª vez n’O leão que perdeu a juba’, abri-lo e cheirá-lo foi verdadeiramente emocionante! Foi o culminar de muitos meses de esforço e dedicação! A partir daquele momento senti o enorme peso da responsabilidade de fazer deste projecto o meu trabalho. Desde o ano passado, altura em que editei ‘O leão que perdeu a juba’, que a adesão por parte do público tem sido muito boa. Comecei literalmente do zero: sem quaisquer contactos, sem editora, sem contratos com livrarias, sem a garantia de ser um projecto bem recebido… e num ano esgotei a 1ª edição. Foi uma enorme e feliz surpresa! Nunca pensei chegar tão longe e fiquei tão entusiasmada que decidi dar continuidade à colecção. Neste momento, tenho já editado um novo livro: ‘A lagartinha que tinha um sonho’.

E a Lagartinha que tinha um sonho, o que nos vem contar?

A lagartinha segue a mesma linha do leão: é um conto infantil ilustrado com posturas de yoga adaptadas às crianças e correspondentes às personagens da história. Desta vez, o livro fala-nos sobre a vontade de concretizar um sonho. Um sonho que pode ser o meu, o teu ou o de qualquer pessoa. E, apesar de ser um livro para crianças, deixa-nos uma mensagem de que os adultos não se devem esquecer: “quando o nosso coração bate com muita força por algo que desejamos, a magia acontece e os nossos sonhos vão, devagarinho, sendo transformados em realidade!”

Os fãs que quiserem um autógrafo teu, onde te podem encontrar nos próximos dias?

Dia 28/Nov, às 10h30 estarei na Heart Gallery, em São João da Madeira, e às 15h30 em Ílhavo para duas sessões de apresentação d’A lagartinha que tinha um sonho’.
No dia 29/Nov, às 16h, estarei no evento «Natal em Cascais» a convite da Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto. E a última sessão de 2015 realiza-se na Casa Jardim do Sol, no dia 6/Dez, às 11h. Todas as informações sobre o calendário de sessões (e não só) estão em Yoga entre Histórias.

—–

Panquecas de sábado (sem gluten)

Depois de 5 dias numa correria de regresso ao jardim infantil, sábado é dia de moleza. Acordámos mais tarde que o habitual, era quase hora do almoço, o relógio marcava 7h29.

Um dos programas favoritos do Gui para começar o fim-de-semana é fazer panquecas. Partir os ovos, pesar na balança, comer um bocadinho de tudo que vai para a taça, mexer, mexer, mexer, pôr na frigideira e já está!

Hoje repetimos uma receita sem gluten que gostamos muito! Muito simples, quase que é só substituir a farinha de trigo por farinha de arroz (muito fácil de encontrar nos supermercados). Adaptamos a receita do blogue Gluten Free com Paixão (sem espinafres e com um iogurte natural simples) e enfeitámos com bananas, canela e açúcar em pó.

Hummmmm!!

doula

O dia em que os lápis desistiram

Para inaugurar a nova categoria LIVROS, hoje falamos sobre um dos livros favoritos do Gui, da editora Orfeu Mini: O dia em que os lápis desistiram!

IMG_20150911_150350“Os lápis de cor também se zangam. O lápis preto está cansado de ser usado apenas para desenhar contornos, o azul já não aguenta pintar mais oceanos, e o amarelo e o laranja já nem sequer falam um com o outro, pois cada um reclama ser a verdadeira cor do sol. E agora? O que vai fazer o Duarte?”

Cá em casa temos duas versões: a dos lápis e a dos caixotes do lixo (o meu filho é obcecado por reciclagem!). O livro faz sempre um sucesso, sobretudo quando chegamos à página do verde, porque tem vidro e faz PXXXIIINNNN no vidrão! Um livro óptimo para falar sobre cores e sobre emoções. Somos fãs!

 

doula