Beijo roubado

O meu corpo não é do domínio público. Seja eu bebé ou criança traquina. O meu corpo não é do domínio da tia, da avó, da vizinha, do pai ou da mãe. O meu corpo é meu. Por isso choro quando não gosto do colo, por isso reclamo se não quero um beijo. Eu dou … Continue a ler Beijo roubado

És feio!

Para terminar o dia de ontem em beleza, fomos dar um passeio pelo largo da igreja, com visita ao ecoponto incluída. Disse-lhe que íamos comprar pão, só não expliquei que não íamos ao Minipreço, mas sim a uma lojinha de produtos transmontanos que fica do outro lado da praça. Refilou, debateu-se, puxou-me. Disse-lhe que, se … Continue a ler És feio!

A ti, pai

A ti, pai. O único que conheço. O único que tenho na minha vida. A ti, pai, que muito antes dos 9 meses de espera, já esperavas e acalentavas o teu filho. Que estiveste sempre presente, desde o momento do nascimento, em que choraste como a mãe não chorou. Presente nas noites curtas de 2 … Continue a ler A ti, pai

Dia Internacional para Eliminação da Violência contra as mulheres, pela Catarina

Foi dia 12 de Julho que tudo começou....Nunca mais me esqueço da data. Nunca mais se esquece o dia, em que um dia a nossa LIBERDADE fica comprometida com a loucura de alguém tão narcisico ao ponto de aprisionar alguém. Não fisicamente. Psicologicamente. Chama- se STALKING, e para quem não sabe, basta traduzir à letra: … Continue a ler Dia Internacional para Eliminação da Violência contra as mulheres, pela Catarina

Desafio difícil este, deixar o coração falar de infertilidade, pela Andreia

Pensei em falar da dor de saber na véspera de Natal que não vamos conseguir ter filhos sem tratamento. Do choque, da verdade sem paninhos quentes e floreados. Ou do que senti ao iniciar o 1º dia do ano com injeções hormonais para estimular os ovários. Da dor e da revolta de receber um negativo e não querer saber ler … Continue a ler Desafio difícil este, deixar o coração falar de infertilidade, pela Andreia

Sobre o #primeiro assédio

A vergonha e a culpa são os principais motivos que levam a que uma mulher se cale. Porque não é suposto falar-se nestas coisas, mulher honrada não tem ouvidos. E esquece, ou melhor, tenta esquecer, engolindo a angústia em silêncio. Nos últimos anos, tenho vindo a partilhar a minha história com quem me rodeia. Do outro … Continue a ler Sobre o #primeiro assédio

manifesto para raparigas

(lista aberta de conselhos para todas as meninas com mais de 5 anos de idade) 1. Não és uma princesa e não serás nunca, a não ser que a tua mãe ou o teu pai sejam reis ou conheças um príncipe e te cases com ele. És uma menina comum. Se te queres identificar com … Continue a ler manifesto para raparigas

2 Mães, 1 Grande Amor

Começando pelas apresentações, somos a Alexandra (mãe não biológica) e a Cristina (mãe biológica), estamos juntas há 8 anos, casadas há 3 e este ano (2015) tivemos a nossa filha. Antes de respondermos às perguntas, queria clarificar um assunto, que sinceramente, a todos os gays penso que incomoda. Normalmente quando dizemos que somos gays, as … Continue a ler 2 Mães, 1 Grande Amor

Refugiar-se

Preto no branco, é impossível não personalizar esta questão. Dá-me um nó no coração abrir o facebook e ver comentários que destilam ódio. Sou mulher, portuguesa, oriunda de um cruzamento entre um alentejano e uma indiana. Vivi a minha infância e juventude num subúrbio de Lisboa que, segundo alguns, não é sítio para se ver crescer … Continue a ler Refugiar-se

1000 olhos não chegam

Não sou pessoa de ligar a notícias sensacionalistas, não gosto de viver atormentada pelo medo. Desde que fui mãe que novas preocupações surgiram. Fala-se, cada vez mais, em pedofilia. Partilho algumas fotos do meu filho, com algumas pessoas da família e amizades mais próximas. Temo muito mais o mal directo que posso ocorrer do que … Continue a ler 1000 olhos não chegam