Relato de um parto por Interrupção Médica da Gravidez

Perder um filho (que ainda carregamos no ventre) com dignidade e num ambiente acolhedor não devia ser um luxo mas um direito de todas as mulheres.

O Rafael viveu apenas 14 semanas e 5 dias na minha barriga. Nasceu e morreu no dia 22/7/2017, às 18:20, depois de um parto induzido e respeitado que durou o tempo de que precisámos… exactamente 9 horas. Sem pressas. Sem comentários depreciativos. Sem atitudes agressivas. Seguindo o protocolo de IMG por indução. Sim, é possível isto tudo acontecer ao mesmo tempo.

Às 12 semanas, na ecografia morfológica, levantaram-se suspeitas de Continuar a ler

Sobre a empatia

Querida pessoa, sou doula e às vezes sou má.

Transformo o mal dos outros no meu mal e sou má para mim própria. Sinto as suas dores, as suas feridas, como se fossem as minhas dores, as minhas feridas.

Choro muitas vezes. De raiva, frustração e dor. A minha dor, como espelho da dor do outro. Aquilo que é fundamental para si é, também, uma das minhas preocupações.

Escolho ter tempo e Continuar a ler

Sobre a (falta de) empatia

O meu nome é Cláudia.

Estou grávida de 14 semanas e 2 dias e desde a ecografia das 12 semanas que se levantaram suspeitas sobre uma malformação grave do meu bebé, ou como foi designado pelos profissionais de saúde, uma “anomalia fetal”.

Na semana passada fui encaminhada pela minha obstetra (estou a ser seguida num hospital privado) para o Diagnóstico Pré-Natal (DPN) da MAC – um departamento muito Continuar a ler