A ti, pai

A ti, pai. O único que conheço. O único que tenho na minha vida. A ti, pai, que muito antes dos 9 meses de espera, já esperavas e acalentavas o teu filho. Que estiveste sempre presente, desde o momento do nascimento, em que choraste como a mãe não chorou. Presente nas noites curtas de 2 horas, em que o leite e o embalo, o calor e o aconchego dos teus braços, era tudo o que era necessário para haver algum equilíbrio. A ti, pai, que decidiste ficar junto à tua família sempre que ela de ti precisou. Que defendeste com unhas e garras e dentes e palavras, sempre que sentiste que isso era realmente o mais importante.

Sem saber bem o que cabe nesse papel de ser pai, cresceste a cada dia, nos momentos de mimos e sorrisos mas, sobretudo, nos momentos de rejeição. Não é fácil ser-se pai. Muitos renegam o seu papel, são tantos que até dá dó. Mas tu não. Podes vacilar ante as tormentas dos ventos e das tempestades, mas estas não te fazem vergar. E, de mansinho e sem esperar, vês mais outro a chegar. Agora, embora ainda ao de leve, és pai de dois. E a tua alegria e o teu optimismo são força que mantém este barco a navegar.

A ti, pai, que nos ensinas a sermos nós, a amarmos a vida, pelo mais simples e belo que ela nos dá, com a tua força e com a tua presença. A ti, pai, que estás presente, em todos os momentos. A ti, pai, pai dos meus filhos.

Partilha o que te vai na alma...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s